Missa em agradecimento e despedida às Irmãs Missionárias de Jesus Crucificado

 

 O Instituto Dom Barreto realizou nesta terça-feira, 22 de agosto, uma Missa em reconhecimento e gratidão às Irmãs Missionárias que encerram suas atividades evangelizadoras no Piauí, ao longo de 74 anos, voltadas para a educação e catequese, e também pelo 76º ano de falecimento do Exmo. e Revmo. Dom Francisco de Campos Barreto, fundador da congregação das Missionárias de Jesus Crucificado.   

A missa, realizada na Capela Mater Dolorosa, foi ministrada pelo Padre Amadeus Matias e teve a presença das Irmãs Casilda, Socorro, Jesus, Geralda, Amparo e Maria. As Diretoras, os professores e funcionários do IDB marcaram presença para neste momento de agradecimento e despedida.

A Congregação Brasileira das Missionárias de Jesus Crucificado foi fundada em 1928 pelo Bispo Dom Barreto, na cidade de Campinas, em São Paulo. Atualmente, está presente em vários países: Moçambique, Haiti, Quênia, Bolívia, Equador, Paraguai e Brasil, onde marcam presença em todas as regiões, com exceção dos estados de Mato Grosso, Amapá, Roraima, Paraná e Tocantins.

A Diretora do Instituto Dom Barreto, professora Stela Rangel, agradeceu imensamente e transmitiu uma mensagem de carinho nesta partida. “Hoje rendemos nossa carinhosa e significativa homenagem de agradecimento às Irmãs Missionárias de Jesus Crucificado que, como educadoras e evangelizadoras, deram sentido humano e cristão a tudo que idealizaram e construíram nesses 74 anos de permanência no Piauí”.  

As Irmãs Missionárias contribuíram com a cultura e a educação nas cidades por onde passaram. Ao fundar uma instituição, chamavam pessoas das comunidades para atuarem e assim partilhavam cidadania e também promoviam o protagonismo social. Foi assim, depois da saída das Irmãs do Patronato Dom Barreto em Teresina, que o professor Marcílio Rangel continuou a “construção” do nosso Instituto Dom Barreto. Eis, apenas um exemplo, pois as Missionárias fizeram a diferença em muitas comunidades.

Nossas Irmãs continuam a viver o carisma missionário: seguem em busca dos mais necessitados, dos que sofrem injustiças e toda sorte de abandono nos lugares mais difíceis e “além-mares”, impulsionadas pelo amor a Jesus Crucificado.