Com um gesto simples, você pode salvar vidas!

20150609090611Ajude Pedro Augusto e milhares de pessoas que estão na fila esperando uma atitude de amor.

O Instituto Dom Barreto apoia a Campanha Nacional de Doação de Medula Óssea. As estatísticas são alarmantes e nós precisamos nos mobilizar para ajudar a salvar vidas. Desse modo, compartilhamos com vocês a história de mais um paciente na fila de espera do transplante de medula. Ele é Pedro Augusto, aluno do IDB.

Pedro Augusto Nunes tem 8 anos e é aluno do 3º Ano do Ensino Fundamental do Instituto Dom Barreto. No dia 2 de abril, ele iniciou uma hepatite aguda de etiologia desconhecida, que evoluiu causando uma aplasia medular, diagnosticada por meio de uma biopsia de medula, no dia 18 de maio.

A aplasia medular é uma doença rara, caracterizada pela alteração no funcionamento da medula óssea. Nesta doença, o indivíduo não é capaz de produzir de forma satisfatória hemácias, plaquetas e leucócitos, que são as células que compõem o sangue. Os sintomas da aplasia medular incluem anemia, manchas escuras na pele ou mucosas, devido à diminuição do número de plaquetas, e infecções frequentes, devido à diminuição das defesas do organismo.20150609074001

“Quando recebemos o diagnóstico de aplasia medular, inicialmente, foi uma estranha sensação. Um mistura de sentimentos. Por um lado, finalmente, tínhamos alguma coisa concreta, enfim um diagnóstico para pensarmos em um tratamento, e uma possível cura. E por outro lado, medo por ser uma doença grave que colocava a vida do nosso filho em risco”, conta Amanda Torres, mãe de Pedro Augusto, ao falar sobre como foi receber o diagnóstico. Ela acrescenta ainda que a pior parte desta análise foi quando saiu o resultado do exame de compatibilidade, o HLA. “Nem nós, os pais, e nem a irmã éramos compatíveis. Quando eu recebi a notícia, o meu mundo caiu. Senti uma dor tão grande, um medo, uma sensação de impotência que me abalou profundamente”, diz.

A vida de Pedro Augusto mudou desde então. No início da doença, ainda em abril, ele reagiu bem. Mas, quando foi para São Paulo, o pequeno ficou muito deprimido. “Ele ficou emocionalmente abalado com a distância de casa e da escola. Ficou muito debilitado com a doença e com uma infecção hospitalar, mas hoje está bem. Voltou a brincar e quer voltar a fazer as atividades da escola. Ele sempre fala que precisa ficar bom logo porque precisa voltar para a escola”, afirma Amanda.

Pedro Augusto já está ins20150609074021crito no REREME (Registro Nacional de Receptores de Medula Óssea). Agora, a família aguarda por um doador compatível. Desta forma, quanto maior o número de pessoas cadastradas maiores as chances. Enquanto isso, de acordo com Amanda, Pedro Augusto será submetido a um tratamento com antitimoglobulina, um medicamento específico para aplasia medular. “Mas ainda não começamos, porque no momento ele está com infecção urinária e não pode começar esse tratamento enquanto não estiver totalmente zerado, sem nenhum tipo de infecção”, acrescenta a mãe.

Pedro e a família estão em São Paulo desde o dia 30 de abril. Ele está internado no Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da USP (Universidade de São Paulo). No entanto, a primeira internação aconteceu ainda em Teresina, no dia 11 de abril, com quadro hepático. Em seguida, Pedro foi transferido para Fortaleza no dia 13 do mesmo mês, onde o quadro hepático agravou bastante, iniciando o comprometimento medular, por volta do dia 27 de abril. “Ele foi transferido para São Paulo no dia 30 e com a biopsia da medula realizada no dia 15 de maio, saiu o diagnóstico de aplasia medular no dia 18”, diz a mãe.

Se você deseja ajudar o Pedro Augusto, pode fazer isso de diversas formas. A primeira é fazer parte do banco de medula e ajudar o nosso aluno, assim como tantas outras pessoas que precisam deste grande gesto de amor ao próximo. Para isso, dirija-se ao Hemocentro ou Hemonúcleo de sua cidade, portando documento com foto e cadastre-se. O cadastro consiste em preencher um formulário com dados pessoais e realizar a coleta de uma amostra de sangue com 5mL para testes de compatibilidade. Suas características genéticas serão colocadas no Registro de Doares Voluntários de Medula Óssea e você passa a ser um doador.

Mas, lembre-se: você precisa ter entre 18 e 55 anos de idade e estar em bom estado geral de saúde (não ter doença infecciosa ou incapacitante). Uma vez no cadastro, você poderá ser chamado até os 60 anos, se identificado como compatível com algum paciente. No Piauí, o cadastro é feito no HEMOPI, que funciona de segunda a sexta, de das 7h3020150609074135 às 18h. Você também pode fazer seu cadastro no próximo dia 24 de junho, no IDB, das 8h às 17h.

A segunda maneira é participar do show beneficente do humorista Amauri Jucá, dia 2 de julho, às 19h, no auditório Ipê da UNINOVAFAPI. Os ingressos custam R$ 25,00 e podem ser adquiridos no setor financeiro do Instituto Dom Barreto. A renda do show é para ajudar financeiramente a família. Por falar nisso, a terceira forma de ajudar o Pedro Augusto é depositando qualquer importância na seguinte conta da mãe, Amanda Torres Nunes: conta corrente – nº 219756-1, agência 5027-x.

O Instituto Dom Barreto apoia esta Campanha e deseja que o nosso pequeno Pedro Augusto encontre um doador compatível o mais rápido possível. Desejamos que ele possa voltar logo ao nosso meio e que cresça com muita saúde. Conte sempre com o apoio da família IDB!

 Paz e Bem!